Blog
Joery Costa OliveiraBlog author list ec4cb2aab7f7b710
Blog internal list a00f225fb6f66799
Internet Business, a cultura do novo mundo dos negócios

Postado às 13/09

“O Comércio Eletrônico, emergência explosiva da Internet como importante (e talvez com o tempo, o mais importante) canal mundial de distribuição de bens, serviços e empregos (...), está provocando transformações profundas na economia, nos mercados e nas estruturas de indústrias inteiras; nos produtos, serviços e em seus fluxos; na segmentação, nos valores e no comportamento dos consumidores; nos mercados de trabalho e emprego. Mas talvez seja ainda maior o impacto exercido sobre a sociedade, a política e, sobretudo, sobre a visão que temos do mundo e de nós mesmos.” 
(Peter Drucker)

Há cerca de oito anos atrás, Peter Drucker, um dos maiores gênios do mundo dos negócios, profetizava um cenário que hoje é comum para todos. Observamos maravilhados e atônitos as mudanças que a internet trouxe para o mundo. Impulsionados pelo smartphone e e-commerce vimos produtos (e empresas) desaparecerem e novos negócios inteiros serem criados.
As empresas mais importantes já são do setor de tecnologia e várias delas baseadas em softwares. As redes sociais, como Facebook, são um software, o UBER é um software. Esse último tem uma frota imensa de carros, sem dono de nenhum deles. A AIRBNB chegou e está se tornando o UBER da locação de casa e quartos de hotel. A Microsoft, o Google são softwares.
Muitas empresas não acordaram para esse mundo novo e correm o risco de serem devoradas sem ter muito que fazer. O UBER foi só o primeiro software a mudar um segmento, o dos transportes. 
Além dessas mudanças no modus operandi de muitos negócios, a internet trouxe grande mudança no comportamento da sociedade, incluindo o comportamento de consumo. No Livro Eletrônico produzido pela Google, chamado ZMOT (Zero Moment Of Truth, em tradução livre Momento Zero da Verdade), diz
“Os compradores hoje querem explorar e pensar sobre como os produtos podem melhorar suas vidas. Eles pesquisam para ter ideias de suas necessidades e são motivados a se conectar com outras pessoas e enriquecer os relacionamentos conforme aprendem. Eles são movidos por um desejo de tomar conta de suas próprias identidades e do bem-estar de suas famílias e suas casas.”
Essa nova forma de consumir é um reflexo do efeito da internet no comportamento das pessoas. Elas decidem a compra em frente a uma tela e depois vão ao ponto de vendas para efetuar a compra, seja ele on-line ou físico. O consumidor conhece o produto mais a fundo que o próprio vendedor que o atende. Enquanto está em uma loja física ele compara em seu celular se o preço está justo, considerando o valor do frete e o prazo de entrega que ele precisaria caso comprasse aquele produto online.
É preciso entender que a Revolução do Conhecimento não trouxe apenas novas ferramentas ou agilizou os processos empresariais, ela criou um novo consumidor, que exige, mais do que nunca, que as marcas relacionem com ele. Isso vale para a empresa nacional ou global, mas também para a pequena empresa local. Até porque se você não prestar um bom atendimento, uma empresa do outro lado do país vai vender seu produto para o cliente que reside no bairro que sua empresa atua.
Para adequar um negócio a esse novo cenário, é necessário trazer a cultura digital para dentro da empresa. Falando em marketing e vendas, por exemplo, é preciso estar onde o consumidor está. Não se apegar a ferramentas apenas, como redes sociais ou um site, mas traçar uma estratégia sobre um tripé: captação, relacionamento e oferta. Fazer isso de forma constante, se adequar a forma e plataformas onde o cliente costuma navegar. Usar todo potencial de comunicação que o mundo virtual oferece. Fazer isso através de conteúdos diversos, que eduquem, enquanto vendem.
Agora, antes disso é necessário estar atento se o seu negócio ainda vai existir no futuro. Acompanhe as tendências e caso veja que será extinto, mude rápido e vai vender outra coisa ou a mesma coisa de outra forma.